Etiqueta: Igor Rodrigues

15 jogadores terminam contrato e deixam o GD Chaves

Fonte: GD Chaves

Dia de muitas despedidas no Municipal Eng.º Manuel Branco Teixeira. Esta terça-feira, o Desportivo deixou uma mensagem de reconhecimento aos jogadores que terminaram contrato com os Valentes Transmontanos:

 

«Termina hoje, oficialmente, a temporada 2019/20. A todos os que cessam contratos com esta Sociedade Desportiva deixamos uma palavra de reconhecimento e desejamos as maiores felicidades nos próximos desafios profissionais», lê-se numa nota deixada no Facebook do GD Chaves.

 

Os jogadores que deixaram o conjunto azul-grená são: Ricardo Nunes, Igor Rodrigues, Hugo Basto, Simãozinho, Jean Felipe, Diego Galo, David Luís, Babanco, Jefferson, João Gamboa, Bernardo Martins, João Correia, Wagner, Platiny e Sodiq Fatai.

 

Ainda há mais uma saída em prespetiva no Desportivo de Chaves, com Kevin Medina à beira de ser transferido para os azeris do Qarabag. Já Ricardo Moura, guarda-redes de 31 anos, foi o único jogador a terminar contrato que renovou com os flavienses.

Igor Rodrigues anuncia saída do GD Chaves

Fonte: GD Chaves

Igor Rodrigues já não é jogador do GD Chaves. O guarda-redes anunciou nas redes sociais a saída do Desportivo um mês antes do fim oficial do empréstimo.

 

«Recordo-me perfeitamente da alegria que senti no dia em que soube que ia representar o GD Chaves. Sabia que iria ser um grande desafio. Como todo o início tem um fim, hoje despeço-me com a mesma alegria com que cheguei. O meu eterno obrigado», disse o jogador no Instagram.

 

Igor Rodrigues esteve em Trás-os-Montes por empréstimo do Benfica B, mas teve uma temporada inconstante no Desportivo. O guarda-redes jogou 14 partidas pelo Chaves, mas acabou por perder o lugar assim que Ricardo Nunes regressou à competição após problemas de saúde.

 

Os Valentes Transmontanos ficam apenas com Ricardo Moura e Samu para a baliza e, com a saída esperada de Ricardo Nunes, a administração da SAD procura contratar mais um guarda-redes para a próxima época.

Quem fica e quem sai no GD Chaves

Fonte: GD Chaves

Com o campeonato terminado, chegou a altura de pensar em limpar a casa no GD Chaves. Com 15 jogadores a terminar contrato ou a chegar ao fim de empréstimo, esperam-se muitas saídas em Trás-os-Montes e a Comunidade Azul-Grená decidiu fazer uma seleção de quem devia, ou não, manter-se no Municipal.

 

Basta carregar em “Página Seguinte” para ver as nossas escolhas.

Fonte: GD Chaves

Depois de uma temporada conturbada a nível de saúde e exibicional, Ricardo Nunes está a terminar contrato com o Desportivo de Chaves. Já com 37 anos e apesar do carinho que tem das bancadas, esta parece ser a altura para o guarda-redes deixar o Municipal e abrir a porta a jogadores mais jovens e com mais reflexos.

 

Não é uma escolha fácil, mas é preciso ainda mais segurança na baliza para lutar por objetivos maiores.

Fonte: GD Chaves

Ricardo Moura chegou por acaso a Trás-os-Montes, depois de ser detetado o problema oncológico de Ricardo Nunes. Chegou para ser segunda escolha, mas até surpreendeu quando foi chamado à titularidade para o lugar de Igor Rodrigues.

 

No entanto, parece curto para uma temporada completa e com guarda-redes com menores exigências salariais e mais potencial na equipa satélite, parece mais correto que cada um siga o seu caminho.

Fonte: GD Chaves

É certo que está emprestado, mas nem que tivesse contrato com o Chaves Igor Rodrigues merecia continuar em Trás-os-Montes. Chegado no verão por empréstimo do Benfica B, o guarda-redes desiludiu imenso, mostrou uma enorme insegurança e foi culpado por vários pontos perdidos.

 

Não é por acaso que caiu para terceira escolha no conjunto azul-grená. Se é para isto, nem vale a pena trazer emprestados.

Fonte: GD Chaves

Mais um emprestado, mais um jogador que não vai deixar saudades. A época começou horrível para o lateral brasileiro, que cometeu uma série de erros nas primeiras jornadas e acabou por perder o lugar para Rafael Viegas que, supostamente, era o suplente na lateral-direita.

 

Ainda mostrou alguma utilidade por ser o único jogador a saber bater uma bola parada, mas é demasiado curto para o Chaves. Mesmo que o Portimonense o quisesse oferecer, mais vale seguir em frente.

Fonte: GD Chaves

Rafael Viegas mostrou exatamente o que se esperava dele esta época. Nada de fantástico, mas seguro para ser alternativa a um titular em condições. Uma segunda escolha sólida que pode ser útil ao longo de uma temporada.

 

Como não vale a pena substituir suplentes, Rafael Viegas pode muito bem ficar mais um ano no Municipal Eng.º Manuel Branco Teixeira.

Fonte: GD Chaves

Época de altos e baixos para José Gomes. Quando chegou ficámos todos com receio do historial pouco famoso de lesões contraídas, mas até que se aguentou ao longo da época. Porém, não foi o desequilibrador que se esperava e que tem capacidade para ser, com erros defensivos que, por vezes, transformaram a lateral-esquerda do Chaves numa auto-estrada.

 

Tem de estar bem concentrado para ser titular na próxima época, mas tem a qualidade para ser um jogador que faça a diferença de azul-grená.

Fonte: GD Chaves

Chegou em janeiro a Trás-os-Montes e, dada a quantidade de tiros ao lado que a estrutura do futebol deu no que toca a contratações, até surpreendeu. Não tivemos direito a muitos jogos de Simãozinho, mas quando jogou mostrou bem maior solidez defensiva que José Gomes.

 

Pode ser o catalisador que o colega de posição precisa para mostrar serviço mas, se José Gomes não surpreender, Simãozinho pode ser titular sem problemas. Não nos fazia confusão nenhuma que lhe renovassem o contrato.

Fonte: GD Chaves

Lembram-se do Babanco? Chegou no final do mercado de verão para ser alternativa a José Gomes, depois da lesão grave de David Luís. Chegou, jogou quatro jogos (nada maus, diga-se de passagem) e depois desapareceu, com a última convocatória a ser em outubro, num jogo para a Taça de Portugal.

 

Nunca mais se viu desde então e, já com 34 anos, mais vale cada um seguir o seu caminho.

Fonte: GD Chaves

Está emprestado, sim, mas nem vale a pena pensar em mantê-lo no Desportivo. David Luís sofreu uma lesão grave logo a começar a temporada e, desde então, nunca mais se viu. Não sabemos se está a recuperar ou não, nem se ainda está vinculado do Chaves, mas foi um azar muito grande para um jogador que tinha a capacidade para fazer a diferença.

 

Ainda assim, mais vale reinventar-se com outra camisola e cada um seguir para seu lado.

Fonte: GD Chaves

Depois de duas épocas e meia bastante turbulentas no Municipal, parece que está a chegar ao fim a estadia de Hugo Basto no Municipal. Em final de contrato, o defesa passou momentos bastante complicados de azul-grená  e nunca conseguiu convencer a massa adepta. Mais vale deixar Basto sair e procurar renovar a defesa na próxima temporada.

Fonte: GD Chaves

Este é um desejo que pode não se realizar. O tempo de Calasan no Desportivo de Chaves não tem sido fácil e, esta época, foi um caso de estudo em Trás-os-Montes. Com vários problemas defensivos na equipa, o sérvio foi sempre colocado em segundo plano, mas quando conseguia a titularidade mostrava que era o melhor central da equipa.

 

Nos últimos jogos antes da paragem até tinha conseguido a titularidade e estava a mostrar muita qualidade, mas no verão talvez não seja do interesse de Calasan continuar no Municipal… Com muita pena nossa.

Fonte: GD Chaves

Um caso em que a idade claramente pesa. Diego Galo já vai com 36 anos e, apesar da muita experiência, tememos que as pernas já não aguentem uma temporada em que se exige que os jogadores estejam ao melhor nível, principalmente a nível físico.

 

Está a acabar contrato e, sinceramente, seria preferível procurar uma alternativa que tenha mais anos para dar ao futebol, com todo o respeito pelo defesa brasileiro.

Fonte: GD Chaves

Que montanha-russa a passagem de Kevin Medina pelo Desportivo de Chaves. Começou como um defesa seguro e que parecia uma bela contratação, mas ao longo do tempo foi-se tornando cada vez mais limitado e perdido, com vários erros nos últimos tempos, que o fizeram perder a titularidade na equipa.

 

No entanto, nota-se que o colombiano tem capacidade para muito mais e já que se espera a chegada de um novo treinador para a próxima temporada, pode ser que ainda dê para ver o melhor de Kevin Medina com a camisola azul-grená.

Fonte: GD Chaves

Quem diria que Jefferson duraria tanto tempo em Trás-os-Montes. Criticado pelos adeptos desde a primeira temporada, foi-se aguentando no Chaves, mas nunca conseguiu ser espetacular. Na fase mais decadente de José Mota até mostrou qualidades a ajudar a defesa, mas andar à chapada com adeptos é inenarrável.

 

Caro e ingrato, vai sair pela porta mais pequena do Municipal, mas finalmente podemos ir buscar um médio-defensivo como deve ser.

Fonte: GD Chaves

Sinceramente, Gamboa ficou uns furos atrás do esperado. De um jogador jovem mas com muitas utilizações na Primeira Liga (e que até foi internacional sub-21), esperava-se muito mais na Segunda Liga. Um jogador deste calibre devia ter agarrado a titularidade e nunca mais ninguém calçava a médio-defensivo, mas quando pensávamos que estava aí o novo Assis, Gamboa mostrou-se não muito superior a Jefferson. Pode regressar ao Marítimo.

Fonte: GD Chaves

O único homem da casa no plantel principal, Raphael Guzzo não deve ir para lado nenhum. A temporada não foi fantástica (pelo menos, não foi ao nível de 2014/2015), mas continua a ser um jovem com qualidade que merece estar no plantel. Que fique sossegado no Municipal, que é onde está bem.

Fonte: GD Chaves

João Teixeira é um caso mais complexo, mas onde é preciso pôr os pontos no i’s. É preciso falar com o médio e perguntar-lhe, de uma vez por todas, se quer estar de corpo e alma no Chaves ou se quer ir brincar às vedetas para outro lado.

 

É facilmente o jogador mais talentoso do plantel,mas tem falhado imenso na parte psicológica e parece que o “fantasma” da formação no Benfica e os jogos na Liga dos Campeões quando era mais novo o continuam a afetar, a pensar que este não é o mundo dele. Meu caro, se não mostrares o talento que tens na Segunda Liga, não tens muito a dar na Primeira.

 

No fundo, se João Teixeira quiser dar tudo pelo Desportivo, que continue. Pode ser que se torne numa surpresa agradável na próxima temporada.

Fonte: GD Chaves

Não há muito para dizer aqui. Benny chegou em definitivo em janeiro, mas não mostrou nada de extraordinário até agora. No entanto, ainda é jovem e pode vir a ser bastante útil na Segunda Liga. Que fique, sempre é mais uma opção no meio-campo e, quem sabe, explode no Municipal.

Fonte: GD Chaves

Chegou em janeiro emprestado pelo Paços de Ferreira, mas não mostrou nada de outro Mundo de azul-grená. Não parece ter espaço no Chaves e mais vale voltar a tentar a sorte nos pacenses. Da parte do Desportivo, a cedência vai chegar ao fim sem deixar grandes saudades.

Fonte: GD Chaves

Depois de um empréstimo onde não mostrou nada de brilhante no Farense, Carlos David fez parte do plantel do Chaves esta época, mas continua sem mostrar grande qualidade. Uma das imagens de marca eram as bolas paradas, mas das que marcou no Desportivo não mostrou qualquer tipo de precisão que o tornem importante ao plantel.

 

Ainda para mais numa posição onde há vários jovens na Satélite, mais vale cada um seguir o seu caminho.

Fonte: GD Chaves

Facilmente um dos melhores jogadores do plantel, muito sofreu o Desportivo de Chaves por não ter Niltinho nas alas. Apenas jogou quatro partidas esta época, devido a duas lesões graves, mas sempre que entrou em campo a qualidade dos flavienses passou da noite para o dia. É craque, esperemos que recupere totalmente da lesão no tendão de Aquiles e que, na próxima época, mostre todo o talento que tem aos adeptos… outra vez.

Fonte: GD Chaves

João Correia ainda mostrou alguma qualidade nas alas do ataque, um sector claramente fragilizado no Desportivo de Chaves. Porém, faltou-lhe golo e nunca pareceu ser um desequilibrador nato. A lateral ainda mostrou uma coisa ou outra engraçada, mas foi mais força das circunstâncias que qualidade individual. Que regresse a Guimarães e melhor das sortes para o resto da carreira.

Fonte: GD Chaves

Muito desapontante o empréstimo de Sodiq Fatai ao Chaves. Esperava-se um desequilibrador, mas muitas vezes não conseguiu criar qualquer perigo no ataque, com muitas jogadas a morrer num primeiro toque decepcionante. Pouco se perde com o fim do empréstimo do nigeriano.

Fonte: GD Chaves

Wellington Carvalho jogou apenas 62 minutos esta época, mas foi o suficiente para marcar um golo, mais que João Correia e Sodiq juntos. Está em definitivo no Desportivo e não há qualquer motivo para deixá-lo sair no verão. Que recupere a forma na pré-temporada e que mostre a qualidade que demonstrou no Portimonense… Antes de se chatear com os dirigentes algarvios.

Fonte: GD Chaves

Jesus, que jogador inconstante! Wagner foi capaz do melhor e do pior no Desportivo, com muitos mais jogos em que nem se dava pela presença do brasileiro que jogos decididos por ele. Nem chegou a ter uma mão cheia de exibições decentes, com um dos poucos jogos de qualidade a ser com o Benfica B.

 

Está a acabar contrato e mais vale procurar um novo extremo para a próxima temporada.

Fonte: GD Chaves

O único jogador da Satélite a conseguir espaço na equipa principal, Batxi mostrou qualidades sempre que foi chamado pelo treinador e percebeu-se que há talento no jovem luso-angolano. Falta perceber se se destacou por culpa da falta de ideias que o rodeavam ou se é mesmo da qualidade nos pés de Batxi, mas temos toda a próxima temporada para descobrir isso.

Fonte: GD Chaves

André Luís é o abono de família do Desportivo. Leva 16 golos em 30 jogos esta época, com 11 na Segunda Liga e é um dos melhores marcadores do campeonato. É um daqueles jogadores que o Chaves tem de agarrar com unhas e dentes, mas consta que o Vitória SC anda a sondar o avançado. Esperemos que dê para André Luís continuar de azul-grená na próxima época.

Fonte: GD Chaves

Um dos jogadores mais antigos do plantel, Platiny tem de continuar no Desportivo, principalmente se André Luís deixar o Municipal. O avançado tem seis golos esta temporada, mas sabemos que é capaz de muito mais à frente da baliza. Tem a qualidade para isso e pode vir a ser bastante importante na próxima temporada.

 

É, a par de Simãozinho, dos poucos jogadores a acabar contrato a quem ofereceríamos a renovação.

Fonte: GD Chaves

O goleador de serviço da equipa Satélite, João Paredes pode muito bem continuar no Desportivo e, agora, a tempo inteiro na equipa principal. Alto e forte, pode ter uma temporada de revelação na próxima temporada, se bem que, com 24 anos, começa a fechar a janela de oportunidade para João Paredes.

 

Varzim 2-1 GD Chaves: Duas ofertas de Igor deixam subida em risco

Fonte: GD Chaves

Não deixa de marcar passo o Desportivo na Segunda Liga. Depois de bons resultados nas Taças, o regresso do campeonato trouxe também o regresso das derrotas, agora na visita ao sempre difícil terreno do Varzim. Sem grandes surpresas, José Mota lançou Igor na baliza e José Gomes na lateral esquerda, mas a mudança na baliza acabou por ser fatal.

 

À meia-hora de jogo, uma saída descabida do guarda-redes levou o árbitro a assinalar penálti, depois de Igor correr até às entrada da área para derrubar um adversário. Chamado a marcar, Leonardo Ruíz não desperdiçou e estava aberto o marcador.

 

O Desportivo foi à procura do empate e não precisou de esperar muito para marcar. Logo aos 34 minutos, um cruzamento na esquerda chegou ao inevitável André Luís, que só precisou de encostar para o oitavo golo da temporada.

 

O intervalo chegou com a igualdade no marcador e na segunda parte o Desportivo partiu mais decidido e controlou o jogo, com o Varzim a explorar o contra-ataque. Porém, a maior posse de bola flaviense revelou-se inútil no resultado e aos 57 minutos apareceu o golo poveiro.

 

André Luís somou o oitavo golo da temporada de azul-grená Fonte: GD Chaves

 

Jogada pela direita, remate desenquadrado com a baliza que acaba desviado por Igor, direito para os pés de Leonardo Ruíz que bisou no jogo. Novo golo e mais culpas para o desastrado guarda-redes do Chaves.

 

Até final, o contra-ataque varzinista foi uma arma difícil de evitar, enquanto José Mota abusou nas entradas de avançados e quebrou a construção ofensiva da equipa, que não foi além de balões sem nexo para o meio-campo poveiro, facilmente resolvido pelos defesas adversários.

 

Resultado final ficou no 2-1, nova derrota para o Chaves (quarta no campeonato) e a subida está  cada vez mais longe e perto de ser uma mera miragem. A não ser que o Desportivo consiga acertar com as exibições rapidamente, algo complicado tendo em conta o que os jogadores mostraram até agora.