Mercado de Transferências

Oito jogadores para reforçarem o GD Chaves em janeiro

O mercado de inverno está a chegar e o Chaves bem precisa de um extremo e um médio-centro. Eis oito opções para as posições deficitárias.

 

Raphael Guzzo (Famalicão)

Foto: FC Famalicão

O meio-campo precisa de reforços e Guzzo pode muito bem ser o talento que falta para dar melhor construção ao miolo. Um médio com características mais ofensivas e bem conhecido dos flavienses que pode estar disponível por um investimento bem curto.

 

Nascido no Brasil mas formado entre o Chaves e o Benfica, chegou a jogar pela equipa principal flaviense em 2014/15 por empréstimo dos encarnados, seguindo-se uma experiência não muito positiva no Tondela, que levou a rescindir com o clube da Luz e rumar ao Reus, de Espanha.

 

Depois de dois anos fustigado por algumas lesões no país vizinho, está emprestado ao Famalicão esta época, onde tem ganho espaço na equipa de Sérgio Vieira. Com o Reus em risco de falir e com ordenados em atraso, Guzzo poderá estar disponível por uma pechincha para os cofres flavienses.

 

Luís Gustavo (Reus)

Foto: Instagram Luís Gustavo

Outro nome para o meio-campo vindo dos quadros do Reus e com formação de topo. Luís Gustavo, filho do avançado brasileiro Santos, que fez carreira no Braga e até jogou no Chaves em 1991/92, fez boa parte da formação na La Masia, a academia do FC Barcelona, e chegou mesmo à equipa B blaugrana, onde ficou até 2013. Após cinco anos de ligação aos catalães, o médio luso-brasileiro, que tem boas capacidades defensivas, chegou a Portugal para jogar na Primeira Liga ao serviço do Rio Ave, onde esteve duas épocas e jogou 37 jogos e marcou um golo. Seguiram-se duas temporadas na Galiza ao serviço da equipa B do Celta de Vigo, donde saiu para jogar no Reus.

 

Depois de uma temporada de estreia no clube catalão na 2ª Liga espanhola, onde marcou seis golos em 38 jogos, Gustavo já vai em 16 encontros realizados esta época, com um golo marcado. Com os espanhóis em dificuldades financeiras, aqui também pode haver uma pechincha para o Desportivo, que tem aqui um médio com boa escola e com temporadas de qualidade em Espanha disponível para reforçar os flavienses.

 

André Martins (Légia Varsóvia)

Foto: Mishka / Legionisci.com

Mais uma opção para o miolo do Desportivo, desta feita um nome experiente e com uma carreira recheada de futebol de alto nível. O médio de 28 anos fez a sua formação no Sporting, chegando à equipa principal aos 21 anos, depois de empréstimos a Real Massamá, Belenenses e Pinhalnovense no começo da carreira sénior. Ao serviço dos leões , André Martins jogou 102 jogos em cinco temporadas, com quatro golos da autoria do português.

 

Depois de pouco utilizado por Jorge Jesus em 2015/16, jogando apenas sete partidas, seguiu para a Grécia para representar o crónico campeão Olympiakos, com uma temporada de estreia de bom nível em solo ateniense. Na segunda temporada, apenas jogou nove jogos e acabou por sair esta época para os polacos do Legia Varsóvia, onde leva um golo em 13 jogos.

 

Falamos de um jogador que poderá envolver um investimento avultado para a realidade do Chaves, principalmente a nível salarial, mas com a saída de Stephen Eustáquio praticamente garantida é preciso reforçar com qualidade o meio-campo, acima de tudo com um médio-cento com qualidade e de raíz. André Martins poderá ser dinheiro bem gasto para a segunda metade da temporada.

 

Miguel Luís (Sporting)

Foto: Global Imagens

O último jogador para reforçar o sector intermediário e o único a ser por empréstimo. Miguel Luís chegou à equipa principal do Sporting esta época, com apenas 19 anos, lançado por Peseiro mas aposta mais séria pelo agora técnico flaviense Tiago Fernandes. No período em que o treinador do Chaves foi interino nos leões, Luís jogou os 90 minutos contra o Desportivo e 85 minutos frente ao Arsenal, deambulando entre os sub-23 e os seniores com Marcel Keiser.

 

Internacional sub-20 e um nome com potencial em Alvalade, a conexão de Tiago Fernandes com o Sporting poderá facilitar uma vinda por empréstimo para o Municipal do médio, dando-lhe a experiência que os verde-e-brancos podem não conseguir dar no resto desta temporada (com possíveis reforços a deixarem o médio para segundo plano) e podendo dar qualidade ao meio-campo flaviense.

 

De todos os nomes apresentados, este é o menos recomendável, dado ser um negócio por empréstimo. Mas caso o mercado de inverno não seja simpático para os Valentes Transmontanos, aqui está uma opção que pode acrescentar qualidade à equipa até ao final da época.

 

Walterson (Famalicão)

Foto: FC Famalicão

Damos agora opções para as alas do Desportivo, com destaque para a revelação da II Liga esta temporada. Walterson está a cumprir a primeira experiência em Portugal depois de passagens por clubes como o Santos, Figueirense, São Bernardo e São Bento no Brasil. Ao serviço do Famalicão, o extremo leva já seis golos em 12 jogos e é o segundo melhor marcador do campeonato.

 

Apesar de ter contrato até 2023, o investimento por parte do Desportivo não deverá ser muito avultado para trazer o extremo de 23 anos para Trás-os-Montes, numa aposta que já deu frutos no passado com Davidson. Acarreta sempre um risco apostar num jogador brasileiro a ter a sua primeira experiência europeia, ainda para mais na II Liga, mas que Walterson tem sido um nome em destaque no campeonato de honra, lá isso tem.

 

Diogo Brás (Sporting)

Foto: Filipe Amorim / Global Imagens

A primeira de duas opções por empréstimo que vamos apresentar, tal é a escassez de bons extremos no mercado neste momento. Diogo Brás é um dos jovens talentos que mais esperanças o Sporting tem depositadas neste momento, jogando já pelos sub-23 leoninos, apesar da tenra idade de 18 anos.

 

Flaviense de gema e filho da antiga glória azul-grená Diamantino, o jovem extremo leva já sete temporadas na formação do Sporting, com jogos já disputados na equipa B leonina na última época e esta época nos sub-23, além de convocatórias constantes à seleção sub-19.

 

Neste momento, fica a desconfiança da primeira experiência sénior de Diogo Brás ser logo na Primeira Liga e numa posição tão deficitária, mas o talento do flaviense é evidente e será um caso sério no futebol português no futuro. Falta saber se um possível salto para o Desportivo será a rampa de lançamento na carreira do jogador ou um passo em falso. 

 

Hernâni (FC Porto)

Foto: Twitter FC Porto

O segundo emprestado para a ala nesta lista, Hernâni tem estado em segundo plano nas escolhas de Sérgio Conceição, apesar de ter alguns minutos saído do banco de suplentes. Esta época tem 11 jogos pela equipa azul-e-branca, mas apenas 243 minutos distribuídos por campeonato, Taça da Liga e Liga dos Campeões, valendo já dois golos tardios, um deles a dar a vitória no último minuto frente ao Boavista.

 

A cumprir a quinta temporada de ligação ao FC Porto, o extremo de 27 anos não tem tido uma carreira feliz nos dragões, com apenas 40 jogos pela equipa principal e dois empréstimos pelo meio, a Olympiakos e Vitória de Guimarães, onde esteve a bom nível. 

 

A terminar o vínculo com o FC Porto no final da época, um empréstimo em janeiro pode ser uma opção dada a falta de tempo de jogo na equipa de Sérgio Conceição e seria uma melhoria clara no Desportivo, que bem precisa de qualidade nas alas.

 

Diogo Salomão (Dínamo Bucareste)

Para fechar, um jogador português experiente para reforçar a ala. Diogo Salomão, já com 30 anos, leva quase 10 temporadas de futebol de Primeira. Começou a carreira sénior nos modestos Casa Pia e Real Massamá, mas desde que chegou ao Sporting, em 2010/11, que tem mostrado serviço em vários campeonatos.

 

Depois de uma época de estreia com 23 jogos e quatro golos pelos verde-e-brancos, esteve duas temporadas de bom nível no Deportivo, regressou a Alvalade, voltou à Corunha, e em 2015/16 saiu em definitivo do Sporting para ingressar no Mallorca, onde esteve época e meia com 36 jogos e um golo marcado. Atualmente a cumprir a segunda temporada no Dínamo Bucareste, continua em grande nos romenos, com 19 jogos e seis golos até agora. 

 

Salomão deve representar um investimento considerável mas, dado a liga romena ser pouco apelativa, poderá não ser proibitivo, sendo o talento necessário para a ala.

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *