Crónicas do Topo Sul

Feirense 4-4 GD Chaves: Platiny mantém flavienses na luta no último minuto

Fonte: Liga Portugal

As muitas centenas de Valentes Transmontanos que se deslocaram a Santa Maria da Feira não se podem queixar de falta de emoção no duelo contra o Feirense, mas certamente não ficaram impressionados com a capacidade irrisória do Desportivo de Chaves a defender. Depois da goleada ao Nacional da Madeira, José Mota fez duas alterações no onze, lançando Bruno Gallo e Luther Singh no lugar de Ghazaryan e Costinha, respetivamente. Já os locais, matematicamente despromovidos à Segunda Liga, apresentaram-se com Vítor Bruno e Stivan Petkov de início, na tentativa de voltarem a vencer pela primeira vez desde agosto.

 

O jogo começou da melhor maneira para os flavienses, logo a inaugurar do marcador aos 10 minutos, com Djavan no lançamento, a bola pinga na área e William desvia de calcanhar para o fundo das redes, deixando em êxtase o topo sul lotado de transmontanos. Porém, nem três minutos mais tarde, os locais restabeleceram o empate, com um canto na esquerda a chegar ao centro da área onde Flávio Ramos cabeceou na direção da baliza e Djavan, encostado ao poste, tentou o corte, mas a bola bateu na barra e ressaltou no lateral brasileiro, igualando o resultado. Já perto dos 20 minutos, William conseguiu ultrapassar os defesas na luta corpo-a-corpo e dar a bola a Niltinho, que rematou ligeiramente ao lado da baliza.

 

Mas o Desportivo acabou mesmo por sofrer a reviravolta no primeiro tempo, com um canto na direita de Vítor Bruno a entrar diretamente na baliza defendida por António Filipe, deixando à vista as debilidades defensivas que acompanhariam os transmontanos durante todo o encontro. Possesso com as fragilidades do Chaves, José Mota lançou Costinha no lugar de um desligado Bressan aos 38 minutos, mas os fogaceiros ficaram perto do terceiro golo, num remate de longe que saiu ligeiramente ao lado, mas onde António Filipe parecia apanhado desprevenido. Porém, o intervalo chegou mesmo com a desvantagem de um golo dos flavienses, a quem se pedia muito mais no segundo tempo.

 

Uma autêntica onda azul-grená invadiu Santa Maria da Feira, levando o GD Chaves a conquistar pontos

 

A segunda parte começou com o Desportivo de Chaves a criar perigo de bola parada, com um livre batido por Luther Singh a sair ligeiramente desviado da baliza. Aos 50 minutos houve nova oportunidade de bola parada para o extremo sul-africano, mas o guarda-redes Caio Secco estava atento e conseguiu a defesa apertada. O guardião dos locais tornou-se mesmo uma fortaleza, defendendo as várias tentativas do Chaves para empatar o encontro, como aconteceu num canto já à beira da hora de jogo, com o cabeceamento de Nikola Maras a ser defendido praticamente por instinto mas, na sequência da jogada, um cruzamento de Djavan sobra para o segundo poste, onde o central sérvio eleva-se mais alto que os defesas e bateu finalmente o guarda-redes fogaceiro, fazendo o empate.

 

Porém, as muitas debilidades defensivas do conjunto azul-grená voltaram a aparecer, com um golo ridículo aos 70 minutos a dar novamente a vantagem ao Feirense: Babanco dá para Tiago Silva fora da área, o português pica a bola por cima dos centrais flavienses que ficam a ver navios, enquanto a bola sobra para o médio cabo-verdiano fazer o terceiro golo dos locais, com a defesa do Chaves bastante mal na fotografia. Com a equipa mais uma vez em desvantagem, José Mota recorreu ao banco para fazer a última alteração, com a entrada de Platiny para o lugar de Niltinho, e o ponta-de-lança brasileiro fez logo estragos na primeira vez que tocou na bola: canto na direita, a bola sobra para o segundo poste onde aparece o baixinho Platiny livre de marcação a cabecear para o empate dos Valentes Transmotanos, já à entrada do último quarto de hora de jogo.

 

Mas, nem três minutos mais tarde, voltou a cair um balde de água fria sobre os adeptos transmontanos, com um cruzamento na direita a sobrar para Luís Machado que, sozinho e com Campi a ver jogar, fuzilou António Filipe. A vida começava a andar para trás para o topo sul lotado de flavienses e, com o tempo a passar, a crença ia desaparecendo entre os transmontanos, mas voltou a aparecer Platiny a deixar os adeptos em êxtase. Livre no meio-campo sobra para o guarda-redes do Feirense que soca mal a bola, acabando o esférico para os pés de Platiny, que fuzila as redes dos locais e deixa os Valentes Transmontanos em delírio com o golo no último minuto, que deixa o Desportivo de Chaves fora da linha de água à condição, com mais um ponto que o Tondela.

COMENTA ESTE ARTIGO

O seu endereço de email não será publicado.