Peseta: O primeiro treinador do GD Chaves

  Em semana de jogo histórico do GD Chaves com a Académica – já descida ao terceiro escalão – recordamos uma das figuras maiores que vestiu a camisola dos dois clubes emblemáticos, um goleador que despontou na Briosa e acabou como figura no nascimento do Desportivo.   Mas comecemos pelo início: nasceu por terras minhotas em 1914 sob o nome Augusto Domingues, mas foi pela alcunha de Peseta que passou a ser famoso. Uma alcunha de origem galega, quase em presságio da passagem por Chaves.   Foi no Boavista que…

Ler Mais

João Alves: O Prodígio Flaviense

  A classe, a técnica, a finta, o passe, o golo. Todos estes atributos caracterizam João Alves, um dos melhores jogadores de sempre a sair da formação do GD Chaves. O Médio brilhou no Desportivo durante seis épocas, deu o salto para a Primeira Liga, jogou em algumas das melhores equipas do país e representou a Seleção Nacional. Um currículo invejável, que começou a formar-se em 1998.   Formado no GD Chaves, João Alves – então apenas tratado pelo primeiro nome – começou cedo a brilhar de azul-grená. A qualidade…

Ler Mais

Clemente: A Máquina de Golos Açoriana

  De cabeleira farta, fita na cabeça, sotaque açoriano cerrado e golos, muitos golos nos pés. É assim que Clemente se apresenta aos adeptos do GD Chaves em janeiro de 2008, recém-chegado ao Municipal proveniente do Gondomar e com a promessa de pontaria afinada de camisola azul-grená. No entanto, logo nas primeiras palavras, o ponta-de-lança de 24 anos dá uma valente calinada: «Já me sinto um verdadeiro ribatejano», palavras que valeram essa mesma alcunha ao avançado.   Mas Clemente redimiu-se em campo: frente ao Lixa, o açoriano marcou os primeiros…

Ler Mais

Pavão: A estrela flaviense que partiu cedo demais

Pavão morreu em campo em dezembro de 1973

  Fernando Pascoal Neves. Pelo nome de batismo, o talento que vamos falar pode passar ao lado dos adeptos mais jovens, mas a alcunha é imortal: Pavão. O maior talento futebolístico que saiu de Chaves. Flaviense de gema, brilhou no topo do futebol português ao serviço do FC Porto. Tinha o mundo nos pés quando, numa fatídica tarde de 16 de dezembro de 1973, no azarado 13.º minuto da 13.ª jornada, caiu no relvado das Antas e nunca mais se levantou. Morria um dos maiores guerreiros que Trás-os-Montes alguma vez…

Ler Mais

Vítor Oliveira: Um ano sem o “Rei das Subidas”

  28 de novembro de 2020. Nesta data, há um ano, o futebol português perdeu um dos melhores treinadores de sempre. Vítor Oliveira, que tantas alegrias deu aos adeptos de tantos clubes nacionais, deixava esses mesmos fãs de luto, pela perda de um dos mais emblemáticos nomes que passaram pelos bancos deste país.   A longa e gloriosa carreira do técnico levou-o até Trás-os-Montes em 2015/2016. Depois de subir o U. Madeira – numa dramática última jornada que deitou o GD Chaves para fora da zona de subida – Vítor…

Ler Mais

Ricardo Chaves: A estrela valpacense

Ricarod Chaves como treinador adjunto do GD Chaves

  Flaviense de nome, mas valpacense de nascença, Ricardo Chaves foi uma das grandes lendas do Grupo Desportivo de Chaves no novo século. De hovem promessa chegou a capitão, saiu rumo a voos maiores e ganhou troféus, com destaque para a Taça de Portugal ao serviço do V. Setúbal. Por 210 vezes vestiu de azul-grená, numa carreira onde só faltou uma coisa: levar os Valentes Transmontanos à Primeira Liga.   Mas voltemos atrás no tempo, às origens do histório médio defensivo no GD Valpaços. Fez quase toda a formação no…

Ler Mais

João Fernandes: Um capitão cheio de raça transmontana

  A raça transmontana: uma daquelas características alcançadas por poucos mas que é do mais importante para os adeptos do GD Chaves. Mais que ter talento, é preciso ter atitude, força de vontade e persistência em campo. Nos últimos anos, vários jogadores conseguiram entrar neste cantinho especial dos sócios flavienses, mas poucos com o carisma de João Fernandes.   Formado no GD Chaves, o médio teve de dar os primeiros passos no futebol sénior ao serviço do Valpaços e só em 2004/2005 ganhou espaço no plantel azul-grená. Foram 52 jogos…

Ler Mais

Danilo: O herói da subida de 2008/2009

Danilo festeja a passagem à final da Taça de Portugal

  Estávamos no verão de 2005 e o GD Chaves vivia tempos complicados: esteve para descer e só se manteve porque o Alverca abriu falência. Assim, os flavienses mantiveram-se na Segunda Liga na secretaria.   No meio das dificuldades, o Desportivo reforçava-se como podia e é neste contexto que chega ao Municipal um lateral direito desconhecido, de português açucarado e que vinha de quatro épocas e meia no Vilanovense. Danilo Oliveira, de 26 anos, começava uma caminhada longa com a camisola azul-grená.   A ganhar espaço nos Valentes Transmontanos  …

Ler Mais

Arrieta: A máquina de golos basca

Arrieta ao serviço do GD Chaves, num jogo frente à Académica

Quando se fala em goleadores do GD Chaves, há muitos nomes que nos vêm à cabeça: Radi, Clemente, Barry, William e, inevitavelmente, Ibón Arrieta. O avançado espanhol foi um dos jogadores mais letais a vestir a camisola azul-grená e, em apenas duas épocas em Trás-os-Montes, chegou ao segundo lugar na lista de melhores marcadores da história flaviense, numa altura em que o Desportivo vivia tempos bastante conturbados na tesouraria.   Comecemos pelo início: Arrieta chegou a Trás-os-Montes na temporada 2001/2002 vindo do Talavera, uma equipa menor de Espanha. O ponta-de-lança…

Ler Mais

Filgueira: O «centralão» brasileiro

Estávamos nos finais dos anos 80, a temporada 1988/1989 do Desportivo de Chaves já estava em andamento, quando chegou a Trás-os-Montes um jovem defesa brasileiro, vindo do desconhecido Brasília. Luiz Filgueira, com 21 anos, foi reforço de última hora para João Fonseca – então técnico flaviense após a saída de Raúl Águas – e foi figura de proa nas cinco épocas e meia que vestiu a camisola azul-grená.   Naquela primeira época, desapontante para as hostes flavienses, já que o Chaves terminou em 13.º lugar no campeonato (pior classificação, na…

Ler Mais